WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


:: ‘servidores temporários’

Insatisfeito com salário de R$ 880 para temporários, Fernando Torres pretende fazer concurso

Fernando Torres (PSD)

“Pretendemos no futuro fazer um concurso”, anuncia o presidente da Câmara Municipal de Feira de Santana, Fernando Torres (PSD). Ele observa que existe a necessidade de que sejam preenchidas vagas em áreas que se encontram carentes de servidores efetivos na Casa, a exemplo do setor de limpeza.

Em entrevista coletiva para a imprensa, nesta segunda-feira (11), disse que a Mesa Diretiva está examinando, através de uma espécie de auditoria, o contrato de uma empresa, terceirizadora de mão de obra, que fornece trabalhadores para o Legislativo feirense. Entende que precisa ser apurado sobre o valor do salário pago aos colaboradores. Enquanto a contratada recebe da Câmara R$ 3 mil por funcionário cedido, a remuneração de cada um é de aproximadamente R$ 880. “Não acho que os impostos custem tudo isso. Precisamos fazer uma auditoria, o que está sendo providenciado, pela própria Mesa. Não vamos aceitar essa situação”, afirma. :: LEIA MAIS »

Itajuípe: MP recomenda anulação de processo seletivo de servidores temporários

O prefeito de Itajuípe, Marcone Amaral, foi recomendado pelo Ministério Público estadual a anular processo seletivo simplificado aberto por meio do Edital 001/2018 para a contratação de mais de 100 servidores temporários nos quadros municipais. Segundo a recomendação expedida pela promotora de Justiça Cinthia Lopes no último dia 19, o prefeito deve comunicar ao MP as providências adotadas para a anular o processo em um prazo de 30 dias e realizar concurso público para provimentos dos cargos vagos em um máximo de 90 dias.

A promotora afirma na recomendação que foram identificadas ilegalidades na realização do processo seletivo simplificado. Entre elas, estão a própria inadequação desse tipo de processo para cargos cuja existência é prevista e a vacância previsível; adoção de critérios subjetivos na análise curricular e evidências de relação de parentesco entre os candidatos e membros da comissão do processo seletivo, o que “poderia configurar violação ao princípio constitucional da impessoalidade”.



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia